© iStock Oat_Phawat
© iStock Oat_Phawat

Minas de prata Cerro Rico & a história por trás

3 minutos de leitura

Esta é uma história traduzida com a ajuda da tecnologia.

Este texto foi traduzido para Português a partir do original em English

No século XVI, 60% da prata do mundo era extraída de um morro chamado Cerro Rico, que significa literalmente "Morro Rico", localizado na Bolívia.

© iStock/zanskar
© iStock/zanskar

Uma descoberta que muda a vida no Período Colonial

Um indígena chamado Diego Guallpa, enquanto passeava pelas terras altas, decidiu passar a noite ao lado do Cerro Rico, onde acendeu uma fogueira para combater o frio. Quando acordou, viu um líquido brilhante. Era prata da colina, derretida pelo fogo. Muito em breve, Juan de Villarroel, um conquistador espanhol para quem Diego costumava trabalhar, se informou sobre isso e, um pouco mais tarde, começou a extração mineral. No entanto, há algo que eles ainda não sabiam: naquele momento, o Cerro Rico era o maior depósito de prata do mundo!

Nesse período, a prata era uma moeda chave em todo o mundo. É por isso que a população em torno de Cerro Rico cresceu rapidamente. O que começou como um assentamento mineiro, logo se tornou uma cidade chamada Potosí, que não demoraria muito para ser uma das cidades mais populosas do mundo, ultrapassando a população de Londres ou Paris, naquela época.

No início, a prata era extraída da superfície, e a tecnologia indígena era utilizada para a mineração subterrânea. Mais tarde, a pólvora foi introduzida e, finalmente, o mercúrio começou a ser usado para purificar o metal.

Acredita-se amplamente que a prata já extraída do Cerro Rico é mais do que suficiente para construir uma ponte de prata da Bolívia à Espanha. Este ditado pode ser considerado, é claro, um produto de pura fantasia, mas na realidade, o valor dos minerais extraídos do morro é impensável.

© iStock/rchphoto
© iStock/rchphoto

Cerro Rico hoje em dia

Durante o período colonial, a mina parecia não ter fim e, ainda hoje, a mineração em Cerro Rico continua depois de quase quinhentos anos!

Cerro Rico
Cerro Rico

Durante o período mais rico de Potosí, cerca de 140.000 pessoas por ano costumavam ser levadas à cidade para mineração. Muitos deles iriam, muito em breve, perder as suas vidas nesta tarefa. Ainda hoje, a esperança de vida dos mineiros é de apenas 45 anos, e centenas deles morrem anualmente, não só por acidentes, mas principalmente porque trabalham num ambiente verdadeiramente adverso e tóxico que lhes causa uma vasta gama de doenças mentais e físicas.

El Tio

Os mineiros têm respeito absoluto por uma imagem chamada "El Tío". É um rosto desagradável e assustador, representando o senhor do submundo. Eles acreditam que para ficarem protegidos quando estão no subsolo, devem mantê-lo satisfeito. Como resultado, eles lhe oferecem álcool, folhas de coca e cigarros antes de descerem para um lugar tão desagradável e aterrorizante quanto a imagem desse personagem.

Visitar as minas

Atualmente, os visitantes podem acessar os primeiros 70 a 100 metros da mina, embora não seja uma experiência recomendada para todos. Não é uma imagem muito reconfortante. Os mineiros fazem o seu trabalho em condições adversas. Dentro da mina, a temperatura pode aumentar significativamente; há falta de oxigênio e há minerais tóxicos no ar. Naturalmente, você estará usando roupas de segurança, mas depois de alguns minutos, qualquer um deseja sair.

© iStock/Matthias Kestel
© iStock/Matthias Kestel

Entrar nas minas pode ser uma experiência bastante estranha para os turistas. De qualquer forma, o objetivo de viajar não é apenas desfrutar de lugares bonitos, mas também aprender o que está acontecendo ao redor do mundo. Neste caso, visitar as minas do Cerro Rico pode deixar você pensando em aspectos que você nunca considerou antes.


O autor

Vanesa Zegada

Vanesa Zegada

Sou Vanesa, da Bolívia, e sou uma verdadeira amante do meu país. Ele nunca deixa de me surpreender, apesar de eu ser daqui. É um país cheio de diversidade, tradições, lugares interessantes, que quero compartilhar com vocês através de minhas histórias de viagem em itinari.

Histórias de que também poderá gostar