© istock/ ribeirorocha
© istock/ ribeirorocha

Descobre o pastel brasileiro em São Paulo

3 minutos de leitura

Esta é uma história traduzida com a ajuda da tecnologia.

Este texto foi traduzido para Português a partir do original em English

Prepara-te para uma experiência gastronómica que te fará mergulhar na nossa cultura culinária popular!

Algo que te realmente coloca em contacto com a cultura de um lugar que estás a visitar é comer como um local. Portanto, nesta história, vou sugerir uma experiência gastronómica de rua que é um "clássico" do património culinário paulistano: "o pastel"..

Não há uma tradução adequada da palavra "pastel" em inglês. Em vez de traduzir, vou descrevê-lo para que possas entender do que é que ele é feito e descobrir a história por trás da sua origem. Um Pastel consiste num "envelope" de crosta fina em forma de retângulo, recheado com uma grande variedade de recheios. A massa, que é feita basicamente com farinha, é enrolada até ficar suficientemente fina para se transformar numa forma de "envelope" para conter os recheios; depois, é frita. Os recheios salgados mais comuns são queijo, carne moída, geleia e queijo, palmito, coberturas de "pizza" (queijo mozzarela, tomate e oregãos) e bacalhau. Como nós brasileiros gostamos de rechear, a lista de recheios pode crescer tanto quanto nossa imaginação culinária permite. Às vezes podes encontrar mais de 30 tipos de recheios! Embora seja um prato tradicionalmente salgado, é possível encontrar algumas versões doces do mesmo. As mais populares são as com geleia de goiaba e queijo ou banana e chocolate.

© istock/ bonchan
© istock/ bonchan

Como consegues perceber, o pastel brasileiro não tem nada a ver com o "Pastel de Nata" português, apesar da forte herança e grande influência culinária que tivemos de nossos descobridores. Poderíamos dizer que tem uma semelhança com a samosa indiana devido ao sabor forte; no entanto, é diferente em forma e recheio, e especialmente em tamanho!

A história por trás

Para matar a tua curiosidade, aqui está a história por trás deste petisco: muito antes da febre das carrinhas de street-food, mais precisamente na década de 1940, imigrantes japoneses começaram a vender pastéis nas feiras de rua da cidade de São Paulo. A receita foi adaptada da gyoza japonesa, e o saquê foi substituído pela “cachaça" (cachaça é uma bebida brasileira destilada feita de caldo de cana fermentado, popularmente conhecida pela famosa bebida Caipirinha).

Este lanche crocante e saboroso tornou-se muito popular na cidade e no estado de São Paulo e depois espalhou-se por todo o país. Pastel não é vendido apenas em mercados de rua, mas também em "pastelarias" - lojas de fast-food especializadas em pastel, facilmente encontradas em shoppings e centros comerciais. Além da criação original, uma pequena versão de pastel, o que os locais chamam de mini-pastel, tornou-se uma opção popular de aperitivo em muitos bares e churrascarias do país. As possibilidades de encontrar esta iguaria local aumentaram definitivamente!

Onde comer o pastel mais delicioso

Então, se estás na cidade e queres provar um pastel, o meu conselho é ir a um mercado de rua para experimentar a derradeira cultura culinária popular "paulistana”. Podes encontrar, digamos, uma versão exageradamente recheada do pastel no nosso popular mercado de alimentos: "Mercado de São Paulo", que é calorosamente chamado de "Mercadão", que está localizado no centro da cidade.

©  Wikimedia Commons/ Fernanda Steffen
© Wikimedia Commons/ Fernanda Steffen

Os mercados de rua onde podes comprar frutas e legumes são muito populares na cidade. Cada bairro tem um, e cada mercado de rua tem pelo menos uma barraca de pastel. Podes ver em que dia da semana o lugar que estás a visitar abriga um mercado de rua (eles geralmente acontecem das 7:00 às 14:30). Nos Jardins, por exemplo, na rua Lorena, o mercado de alimentos acontece aos domingos. Lá poderás saborear um pastel autêntico feito por famílias japonesas que têm passado esta tradição de geração em geração.

© istock/lucato
© istock/lucato

Desde 1979, o pasteleiro José Hiromi Mori vende mais de 30 sabores deste prato popular no mercado de rua do bairro do Pacaembu. A sua tenda, "Barraca do Zé", como é conhecida, é tão popular que se tornou uma paragem tradicional para os amantes da comida popular. O mercado de alimentos acontece todas as quintas-feiras e sábados na praça do Pacaembu, em frente ao Estádio do Pacaembu.

Pastelarias: fast food com vibração de rua

Se não puderes frequentar um mercado de comida de rua, também podes comer um pastel numa das muitas pastelarias da cidade. Há muitas opções em todo o lado. Por exemplo, podes ir ao "Pastel da Maria" no bairro de Pinheiros. Maria, como é conhecida Kuniko Yonaha, é uma imigrante japonesa que começou a vender pastel no mercado de rua. Ela também tem algumas lojas na cidade, mas mantêm o mesmo estilo de comida de rua. A com carne moída foi eleita como uma das melhores da cidade.

De que estás à espera? Entrega-te à cultura culinária brasileira e prova os nossos pastéis típicos! Aproveita!


O autor

Luciane Oliveira

Luciane Oliveira

Meu nome é Luciane, sou do Brasil e morei no México e na Suíça. Adoro viajar, sou apaixonada por comida, praias e passeios de bicicleta. Tenho orgulho de compartilhar histórias sobre meu maravilhoso país.

Histórias de que também poderá gostar