Açores: o segredo mais bem guardado da Europa (Ilha de S. Jorge)

4 minutos de leitura

Esta é uma história traduzida com a ajuda da tecnologia.

Este texto foi traduzido para Português a partir do original em English

Juntamente com o Pico, Faial, Terceira e Graciosa, São Jorge pertence ao grupo central do arquipélago dos Açores, o segredo mais bem guardado da Europa. Juntamente com os seus vizinhos, o Pico e o Faial, forma aquilo a que os habitantes locais chamam um triângulo. Visitar algumas destas ilhas pode ser uma boa ideia quando visitar o Arquipélago pela primeira vez. Para quem procura uma aventura e contacto profundo com a natureza, sugiro um combo: escalar o Pico, a montanha mais alta de Portugal, mergulhar no Faial e terminar com surf em S. Jorge. Estas 3 ilhas estão próximas umas das outras, não é complicado nem caro visitá-las todas numa semana. Embora geograficamente muito próximas, oferecem experiências completamente diferentes. Todas as ilhas são tão ricas em história quanto em natureza, mas os 9.500 habitantes de S. Jorge afirmam que a sua ilha, com as suas fajãs, e a pitoresca aldeia de Velas, é ainda mais bonita que as outras.

Velas village
Velas village
9800 Velas, Portugal

A ilha tem 54 km de comprimento e 6,9 km de largura (os habitantes locais comparam-na a um dragão adormecido), sendo a 4ª maior do arquipélago. Pode chegar lá de avião (desde a Terceira ou São Miguel) ou de barco (vindo da Terceira ou de outras ilhas do triângulo).

A partir do primeiro momento que estiver em São Jorge, vai ouvir falar de fajãs o tempo todo. Há mais de 70 nesta ilha. A Fajã é um deslizamento de terra ou lava, que desce as falésias. É uma superfície plana composta por solos férteis onde os microclimas permitem o cultivo de uma variedade de plantas habituais e exóticas, como o café (na Fajã dos Vimes existe a única plantação de café da Europa, que pode saborear no Café Nunes). Devido a estas características, muitas famílias em S. Jorge costumavam mudar-se para uma fajã no Inverno, para escapar ao mau tempo. Hoje em dia, muitos têm uma casa de fim-de-semana com uma fajã. Seja qual for o seu itinerário de S. Jorge, tente incluir nele o maior número possível de fajãs.

Café Nunes, S. Jorge
Café Nunes, S. Jorge
9850 Sao Jorge, Portugal
Fajã dos Vimes
Fajã dos Vimes
9850 Fajã dos Vimes, Portugal

Na Fajã da Caldeira de Santo Cristo existe um grande pântano onde se encontram amêijoas. É o único lugar no arquipélago onde isso acontece. Só se pode chegar até ela num jipe ou a pé, descendo a Serra do Topo. Se optar por esta aventura, pare na Caldeira de Cima para um mergulho refrescante numa cascata. Esta fajã é um local ideal para a prática de surf, ioga ou meditação. Quando voltar para trás, pode seguir uma estrada que vai até à fajã dos Cubres, que foi, em 2017, considerada uma das Sete Maravilhas de Portugal.

The Fajã dos Cubres
The Fajã dos Cubres
9850 Calheta, Portugal
Fajã da Caldeira de Santo Cristo
Fajã da Caldeira de Santo Cristo
Lagoa da Fajã de Santo Cristo, Portugal

Além de visitar as fajãs, existem inúmeros trilhos para caminhadas na ilha. Aquele que não deve perder começa na serra do Topo e termina na Fajã dos Vimes. Ao fazê-lo, poderá conhecer o interior exuberante da ilha, as suas "costas" cheias de vegetação diferente e conhecer os caminhos que os habitantes locais usavam quando não havia estradas em S. Jorge.

A outra característica muito importante da ilha é que existem cerca de 30.000 vacas por aqui (aproximadamente 3 por habitante)! Vai avistá-las o tempo todo, e, se tiver sorte, pode até vê-las nadando de e para a Ponta do Topo, uma pequena ilha onde elas pastam, geralmente no verão. Não se surpreenda por passar por um rebanho de vacas na estrada, aparentemente sem os donos a acompanhar. Por aqui, as vacas conhecem o caminho!

Naturalmente, elas são importantes quando se trata da gastronomia da ilha. Bife de vaca é uma especialidade local, juntamente com o bife de atum. O queijo mais famoso dos Açores vem de S. Jorge e pode visitar algumas das fábricas para o provar (Lourais em Ribeira Seca é o melhor!). Se ainda tiver algum espaço para doces, existem diferentes tipos de rosquilhas, pastelaria com várias especiarias ou mesmo com bebidas alcoólicas adicionadas. Para as recordações mais autênticas, procure latas de atum na fábrica de Santa Catarina na Calheta. Não é fácil escolher, pois hoje em dia existem muitas opções gourmet.

Santa Catarina Factory
Santa Catarina Factory
Rua do Roque 9, 9850-079 Calheta, Ilha de São Jorge, Portugal

Os moradores locais daqui (ainda) adoram turistas, e adoram recebê-los bem. Há jovens agricultores receptivos a passar algum tempo com turistas, para que compreendam melhor o dia-a-dia do agricultor. São pessoas que vivem perto da natureza e a respeitam, especialmente porque já passaram por alguns desastres naturais, como terremotos e erupções. Pela mesma razão, são bastante religiosos, especialmente dedicados ao Espírito Santo. No verão, espalham "tapetes" florais pelas estradas durante a procissão religiosa, acompanhados por uma orquestra filarmónica. As principais festividades acontecem no 7º e 8º domingo após a Páscoa e simbolizam a partilha, especialmente de comida, mas também das histórias e do tempo passado em conjunto. Toda a gente está convidada. É uma óptima altura para visitar S. Jorge!



O autor

Natacha Costa

Natacha Costa

Olá, vou falar-vos do sul de França, dos Açores, da Islândia, entre outros lugares, aqui no itinari. Viajar ensinou-me mais do que qualquer outra escola, e estou entusiasmado por partilhar convosco esta minha paixão!

Histórias de que também poderá gostar