A Floresta Vertical, Arquitetura Inovadora em Milão

1 minutos de leitura

Esta é uma história traduzida com a ajuda da tecnologia.

Este texto foi traduzido para Português a partir do original em English

Milão, sempre conhecida como o centro italiano de comércio, moda e design, viu um impressionante aumento de projectos de renovação urbana que tiveram o efeito, entre outros, de trazer algumas ideias arquitectónicas interessantes e inovadoras. A prova mais visível é a ascensão no bairro de Portanuova; dois arranha-céus de última geração, não loucos, que impressionam o transeunte e o turista pelo seu estilo único.

Nas amplas varandas das torres foram plantadas mais de mil árvores, plantas e arbustos, criando agora uma vista única e bela. O chamado Bosco Verticale (Floresta Vertical) pode abrigar até sete mil plantas "horizontais", uma característica que vem com algumas vantagens: o smog, uma questão constante a ser tratada em Milão, é mitigado pelas árvores e pela produção de oxigênio; além disso, as plantas têm um efeito temperante e ajudam a reduzir o ruído.

As torres (111 e 76 metros) foram concluídas em 2014, e logo ganharam sucesso internacional, ganhando o The International High-rise Award, um prêmio dado a todos os arranha-céus mais inovadores do mundo, por "(seu) grande exemplo de simbiose entre arquitetura e natureza". Esta natureza, obviamente, precisa de muita manutenção, que não, nem você mesmo nem um jardineiro comum podem fazer. Somente jardineiros específicos capazes de manejar um sistema de balanço de corda estão autorizados a cuidar dessa floresta urbana. As suas necessidades são certamente mais específicas do que outras. Graças a este e a outros exemplos inovadores, Milão está a desenvolver-se de uma forma surpreendente, fazendo com que valha ainda mais a pena ir ver o que se passa lá em cima!


Cidades interessantes relacionadas com esta história


O autor

Federico Spadoni

Federico Spadoni

Sou Federico, nasci e cresci em Itália. Esporte e notícias fanático e voluntário ativo. Atualmente vivo em Atenas, Grécia. Escrevo sobre as partes centrais da Itália.

Histórias de que também poderá gostar