Cultura dos clubes de Berlim: política, techno e pistas de dança não comerciais

4 minutos de leitura

Esta é uma história traduzida com a ajuda da tecnologia.

Este texto foi traduzido para Português a partir do original em English

Além da cultura do clube, as pistas de dança podem incentivar o engajamento social e a conscientização política entre os jovens. Entre raves de protesto ou a manutenção de espaços livres para a cultura, a cena alternativa de Berlim para a cultura e a música atingiu uma maturidade única na Europa. Nos últimos anos, figuras notórias da cena dos clubes de Berlim iniciaram projetos locais e além fronteiras para compartilhar quase quarenta anos de experiências culturais na cidade. O artigo dá uma visão geral de coletivos, clubes e projetos baseados em Berlim que conciliam as esferas da política e do techno.

O que torna a cultura dos clubes de Berlim tão única na Europa?

A singularidade da cultura e do techno dos clubes de Berlim está na história. A cultura de Berlim é a história de uma cidade devastada e curada pelas feridas da Segunda Guerra Mundial.

No documentário B-movie: Lust & Sound em Berlim Ocidental 1979-1989, Mark Reeder conta a sua história pessoal e revisita através de arquivos pesados a vibrante cena musical e artística de Berlim Ocidental durante o apogeu da cidade dividida, o dia-a-dia do techno. O filme dá uma densa e detalhada compreensão de como a música e a cultura ajudaram a construir a ponte entre Berlim Oriental e Ocidental.

Desde colocar seu próprio selo em gêneros musicais recém-chegados, até criar espaços livres para a cultura em edifícios abandonados (como o techno club Tresor), a geração socialmente consciente dos anos 80 e 90, através do contexto político, deu origem à contracultura pela qual Berlim é conhecida hoje. A vida nocturna pós-muro de Berlim nos anos 90 foi intensa. Era uma energia de alívio e liberdade.

Tresor a Detroit

Tresor é um clube e editora de techno underground em Berlim. Tresor é o último vestígio - apesar de várias relocalizações - da vida nocturna pós-muro de Berlim dos anos 90. O que é que isso nos diz? Não importa quão bem sucedido um clube e quão liberal uma cidade, espaços para a cultura e vida noturna são difíceis de encontrar e manter. As cidades vendem terrenos a investidores e os contratos de arrendamento a curto prazo para clubes nocturnos não conseguem, na maioria das vezes, ser renovados.

A história de Tresor remonta a 1988, quando foi conhecido pela primeira vez sob o nome de Ufo Club. Em 1990, o clube fecha e se muda para Berlim Oriental, nos cofres de um banco judeu abandonado. A localização é única e inspira o novo nome 'Tresor'. O lugar a ser em Berlim para todos os amantes do techno acaba por fechar (novamente) em 2005, devido ao despejo e aos novos planos da cidade para o bairro. Mas Tresor não é alguém que desista facilmente. Desde 2007, o clube encontrou uma nova casa na renovada usina de energia na Köpenicker Straße, em Mitte.

Ultimamente, o fundador da Tresor, Dimitri Hegemann, iniciou uma extensa colaboração e projeto cultural com clubes e artistas em Detroit, para ajudar a trazer a vida noturna de volta ao berço original do techno. Enquanto Detroit e Berlim partilham uma história semelhante - usando a música e a cultura para recuperar uma cidade abandonada - infelizmente não partilham a mesma fé. Em uma recente entrevista para Trax (Arte), Dimitri Hegemann compartilhou suas firmes crenças de que a cultura de Berlim e a cultura dos clubes atingiram maturidade suficiente para ensinar a outras cidades como trazer a cultura underground ao mundo.

Foto de i bi bi, via flickr.

Tresor: Underground Techno Club
Tresor: Underground Techno Club
Köpenicker Str. 70, 10179 Berlin, Germany

Política e Tecnologia

Mensch Meier é um clube e casa de cultura de Berlim que reconcilia a esfera da política com a do techno. O clube recebe muitos projetos engajados e tem uma "equipe de conscientização" local que ajuda a manter a pista de dança segura, aberta e livre. Mensch Meier está intimamente ligado à Frei(t)räume, uma operação ao ar livre em Berlim, e ao movimento social Reclaim Club Culture, que organiza raves de protesto contra extremistas de direita na Alemanha. O que é mais? Mensch Meier comanda as noites regulares do clube com painéis de discussão sobre a temática da cultura e política do clube. Vejam só: Rebellion der Träumer.

Foto crédito por Mensch Meier, via facebook.

Mensch Meier Berlin
Mensch Meier Berlin
Storkower Str. 121, 10407 Berlin, Germany

Pistas de dança não binárias interseccionais

Sala 4 Resistência é um coletivo que cria espaços interseccionais em pistas de dança. Eles se descrevem como "(We are) a Berlin-based queer femme / non-binary forward collective focused on community-building and creating safer space & visibility for underrepresented artists in Dance Music". Eles organizam noites regulares de clube em vários locais em Berlim, o que incluiu uma no Griessmüehle (No Room 4 Shade). Sua residência mensal no notório clube de Berlim //about:blank foi recentemente cancelada devido à declaração pública do Room for Resistance em apoio à campanha #DJsforPalestine. Além fronteiras, os anfitriões colectivos e os painéis de discussão em clubes de toda a Europa, como o De School, em Amesterdão, e o The Pickle Factory, em Londres.

Ilustração de Rudy Loewe, via Room 4 Resistance

Recuperando espaços livres para a cultura

Muitos coletivos e organizações em Berlim trabalham todos os dias na criação e manutenção de uma cultura acessível e livre fora dos círculos comerciais. Um deles é Spree:publik. O colectivo é apoiado pela Comissão do Clube de Berlim e visa manter o parque do Spree e o rio Spree livres para experiências culturais. Os projectos de desenvolvimento comercial da cidade (e patrocinados pelo lobby) para o parque Spree estão de facto sujeitos a controvérsia. Muitas áreas do parque transbordam de iniciativas livres e criatividade, se os planos da prefeitura forem aprovados, isso significaria que todos esses projetos iriam parar. "O Spree e os canais de Berlim agora prosperam com cinemas de jangada, apresentações teatrais, exposições de arte e concertos, bem como demonstrações e ações ambientais. Tudo no espírito de solidariedade e num modo de pensar liberal e colectivo", partilha Spree:publik - e pretende mantê-lo desta forma.

Foto de Johannes Jelinek - vakatmedia.com, via spree:publik.

Spreepark Berlin
Spreepark Berlin

Por último, mas não menos importante, Enter the Void poderia provavelmente ser uma das iniciativas culturais mais excitantes dos últimos anos. Presente na Europa, no Brasil e no Oriente Médio, Enter the Void está se apropriando dos espaços urbanos para a cultura jovem underground. Este projeto da UE decorreu entre 2016 e 2017 e conseguiu construir pontes entre continentes. Os atores culturais por trás do #ETV são ativistas da vida noturna como Horoom nights (Bassiani, Georgia), Mamba Negra (São Pólo, Brasil), Jazar Crew (Palestina) e membros da Comissão do Clube de Berlim.

Photo by Enter the Void, via facebook.

Esteja seguro e livre de delírios!


Cidades interessantes relacionadas com esta história


O autor

Isabel Elwood

Isabel Elwood

Eu sou Isabel, amante do Yoga e Techno Schmetterling. Sou apaixonada por tudo o que toca a arte e a alma... bem como a música electrónica, sobre a qual escrevo.

Histórias de que também poderá gostar