Pronto para experimentar esta história você mesmo?

Planeje sua viagem

Escalada até ao Pico, a montanha mais alta de Portugal

4 minutos de leitura

Esta é uma história traduzida com a ajuda da tecnologia.

Este texto foi traduzido para Português a partir do original em English

A sua visita à Ilha do Pico nunca estará completa sem escalar o seu vulcão do mesmo nome. Com o seu pico de 2351 metros, o Pico é a montanha mais alta de Portugal e um verdadeiro deleite para quem gosta de fazer caminhadas. A montanha, simplesmente chamada de Pico pela população local, é omnipresente e irá 'acompanhá-lo' a cada passo que der à volta da ilha. Vê-lo-á das outras ilhas do grupo central (Faial e S. Jorge) e cedo se torna o seu companheiro de viagem, ajudando-o a encontrar o seu caminho a qualquer momento, e proporcionando o cenário mais surpreendente na sua viagem aos Açores.

Escalar o Pico não é tecnicamente exigente, mas também não é uma simples caminhada. Deve estar em forma e precisa de um bom par de sapatos. Bastões de caminhada também podem ser úteis. Tudo isto porque vai pisar todo o tipo de formações vulcânicas, de enormes fluxos de lava até pequena rochas pontiagudas e afiadas, e quase todo o caminho é vertical. A caminhada em si começa a 1200 metros, onde deve fazer o check-in na Casa da Montanha, mesmo se for com um guia. Lá, poderá registar-se (há uma taxa de 10€), ver um vídeo de dez minutos sobre a montanha, a caminhada e receber dicas de segurança. Além disso, receberá um dispositivo GPS e a sua localização será acompanhada a cada minuto por motivos de segurança.

Casa da Montanha
Casa da Montanha
Caminho Florestal nº 9 Candelária, 9950-000 Madalena, Portugal

Além de ter sorte com o clima, começar cedo pela manhã é muito importante, para evitar o sol enquanto se levanta. No entanto, se estiver hospedado num bom amigo que quer levá-lo para um café e pequeno-almoço no snack-bar próximo Toronto pouco antes de começar a aventura, como nós estivémos, sair cedo torna-se impossível. Quanto ao clima, é bastante imprevisível. Mesmo que o dia pareça óptimo, nunca se sabe se vai começar a chover. Ou, se começar à chuva, não significa que não possa ficar claro em pouco tempo. Portanto, traga óculos escuros e protetor solar, mas também um casaco de chuva!

Há um total de 47 postes numerados, de madeira e facilmente visíveis, a caminho do cume. Quando se chega ao nº44, já se está na cratera do vulcão, e a sensação é única. Passei uma hora só andar à sua volta, imaginando que estava noutro planeta - o que não foi nada difícil de imaginar! Depois desse ponto, há um cume final de 100 metros até uma mini-montanha chamada Piquinho, que é na verdade a parte mais difícil da subida.

No início, o caminho é solo ou lama, dependendo das condições climáticas. Depois de um certo tempo, não há mais flores roxas e diferentes tipos de arbustos, porque o solo se transforma em rocha de lava. O terreno mantém-se como a superfície lunar até que tenha atingido o pico. Apesar de pouco ou nada saber sobre geologia, era fascinante ver claramente os diferentes desenhos dos fios de lava descendo a encosta, as rugas de arrefecimento, os túneis de lava ocos sobre os quais às vezes caminhávamos, rochas rosa, verde e castanho de vários tipos. Escalando o Pico, muitas vezes é possível atravessar as nuvens, como nós fizemos. Uma vez que estiver em cima, as vistas compensam todos os esforços. Pode subir e descer no mesmo dia, mas também pode subir e acampar na cratera à noite e ficar para ver o pôr e o nascer do sol. Nós não dormimos lá, antes do meio-dia já tínhamos atingido o pico e deixámo-nos admirar as vistas de 360 graus do Atlântico e das ilhas vizinhas do Faial e São Jorge, apesar de algumas nuvens.

O clima é bastante ventoso no cume, e foi uma boa surpresa descobrir um buraco que bafora vapor vulcânico onde se pode aquecer um pouco. O lugar é bastante pequeno, mas perfeito para um piquenique, sentando-se simplesmente e absorvendo a vista e o silêncio, e obviamente também para tirar fotos, como esta de mim mesma.

Para alpinistas sérios, 2351 metros podem não parecer impressionantes, mas há um twist. Se medidos desde a sua base no fundo do oceano até aos seus picos, os Açores são realmente algumas das montanhas mais altas do planeta! De alguma maneira, isto torna a ideia de escalar o Pico mais excitante.

Há muitas coisas interessantes para fazer na ilha do Pico, como visitar o Museu dos Baleeiros nas Lajes do Pico, ou beber um copo no bar Cella (premiado pela sua arquitectura única). No entanto, se tem apenas um dia para passar aqui, esta é a maneira de o fazer! Não perca a oportunidade de escalar este vulcão, ao mesmo selvagem e amigável.

Se está curioso para saber mais sobre os Açores, procure as histórias relacionadas com cada um dos 3 grupos de ilhas. Para saber mais sobre o Arquipélago em geral, veja esta história sobre porque é que os Açores são o segredo mais bem guardado da Europa.

Museu dos Baleeiros, Pico
Museu dos Baleeiros, Pico
R. dos Baleeiros 13, 9930-143 Lajes Do Pico, Portugal
Cella Bar, Pico, Azores
Cella Bar, Pico, Azores
Lugar Da Barca, 9950303 Madalena Do Pico, Portugal




O autor

Natacha Costa

Natacha Costa

Olá, vou falar-vos do sul de França, dos Açores, da Islândia, entre outros lugares, aqui no itinari. Viajar ensinou-me mais do que qualquer outra escola, e estou entusiasmado por partilhar convosco esta minha paixão!

Você está pronto para experimentar esta história sozinho?

Planeje sua viagem

Histórias de que também poderá gostar